logo

Mariza Ferreira Bastidas

Psicóloga CRP 06/149729

A atuação por meio dos estágios na área social, escolar, organizacional, saúde e clínica me permitiu ver que a psicologia nos oferece um universo de possibilidades para atuação. A partir disso, a paixão pela área da saúde foi crescendo e descobri que muito dos sintomas físicos são resultados de como funciona o psicológico do indivíduo e por isso, a psicologia me interessou muito. Percebo que comecei a trilhar o mais doce dos caminhos, a saúde mental, e é nesse campo que desejo me dedicar cada vez mais.
contato@marizaferreira.com.br
(11) 97232-1837

A baixa autoestima

A baixa autoestima

A baixa autoestima pode atingir diversos aspectos da sua vida, como os relacionamentos, a saúde, a vida escolar e profissional. Mas algumas medidas podem ser adotadas para te ajudar a melhorar sua autoestima.

 

Se você tem baixa autoestima, aproveite o poder de seus pensamentos e crenças para mudar a maneira como você se sente em relação a si mesmo. Comece com estas medidas e verifique as situações e condições problemáticas.

 

  1. Observe e identifique as situações e condições que estão interferindo na sua autoestima. Analise alguns eventos que podem funcionar como um gatilho para prejudicar sua autoestima:
  • Uma perda de emprego ou a ausência de um ente querido.
  • Uma apresentação na escola ou no trabalho.
  • Um problema com um amigo, cônjuge, um familiar ou um colega de trabalho.
  • Uma crise em casa ou no trabalho

Depois de identificar as situações problemáticas, preste atenção ao que você pensa sobre elas.

 

  1. Observe as suas crenças e pensamentos

Observe com atenção o que você pensa sobre as situações e condições que influenciam em sua autoestima.Suas crenças e pensamentos podem ser neutros, positivos ou negativos; podem ainda ser racionais (baseados em razões ou fatos) ou irracionais (baseados em idéias falsas). Analise-os e pergunte a si mesmo se essas crenças e pensamentos são verdadeiros.

 

  1. Pensamentos negativos ou imprecisos

Os pensamentos iniciais e recorrentes podem não ser a única maneira de ver uma situação, então avalie a exatidão de seus pensamentos. Pergunte-se! A sua visão é consistente com os fatos e a lógica, ou se poderia haver outras explicações plausíveis para a situação?

 

Tenha em mente que pode ser difícil reconhecer as imprecisões do pensamento. Pensamentos e crenças que permanecem ao longo do tempo podem parecer normais e verdadeiros, mesmo quando muitos são simplesmente opiniões ou percepções.

É importante estar atento também aos padrões de pensamento que reduzem a autoestima:

 

  • Pensamentos de “tudo ou nada”. Você percebe as coisas como totalmente ruins ou totalmente boas. Por exemplo: “Se eu não conseguir concluir esta tarefa, então serei um fracasso completo”.

 

  • Filtros mentais Você vê apenas o lado negativo das coisas e fixa neles, o que distorce sua opinião sobre uma pessoa ou situação. Por exemplo: “Cometi um erro nesse projeto e agora todos perceberão que não sou capaz de desempenhar bem esse trabalho”.

 

  • Transforma situações positivas em situações negativas. Você ignora seus êxitos e outras experiências positivas ao afirmar que elas não contam. Por exemplo: “Eu só elaborei bem este prato porque foi ele é muito simples”.

 

  • Precipita-se ao tirar conclusões negativas. Tira uma conclusão negativa mesmo quando o indício que a sustenta seja pequena ou inexistente. Por exemplo: “Meu chefe não me atendeu ao telefone, devo ter feito algo para errado”.

 

  • Misturar sentimentos com fatos. Você confunde crenças ou sentimentos com fatos. Por exemplo: “Eu percebo que errei, sou sempre um fracasso”.

 

  • Pensamentos negativos Você se percebe com desprezo ou usa humor autocrítico. Por exemplo: “Eu não mereço melhor”.

 

 

  1. Regule suas crenças e pensamentos

 

É importante substituir pensamentos negativos ou imprecisos por pensamentos construtivos e corretos. Você pode iniciar por meio destas estratégias:

 

  • Use declarações positivas. Olhe pra você e construa sentimentos motivacionais. Ao pensar que sua apresentação não funcionará, tente dizer frases como “Mesmo que seja difícil, posso lidar com essa situação”.

 

  • Perdoe-se. Todo ser humano comete erros, e os erros não são um reflexo permanente de quem você é. Esses são momentos isolados no tempo e você pode dizer a si mesmo (a): “Eu cometi um erro, mas isso não me faz uma pessoa incapaz”.

 

  • Não seja tão exigente consigo. Se você tem a percepção de que seus pensamentos estão cheios de exigências, pode ser que você esteja se tornando perfeccionista, tanto consigo mesmo quanto com os outros. Ser menos crítico e exigente, pode gerar expectativas mais realistas.

 

  • Mantenha o foco naquilo que é positivo. Observe todos os aspectos da sua vida que funcionam bem. Considere as competências que você usou para enfrentar desafios no passado e dê crédito a si mesmo por fazer mudanças positivas.

 

  • Considere o que você aprendeu. Se foi uma experiência negativa, o que você poderia fazer diferente da próxima vez para obter um resultado positivo?

 

  • Examine os pensamentos tristes. Você não precisa reagir negativamente aos pensamentos negativos. Ao contrário, veja-os como sinais para testar novos padrões de pensamento saudável. Examine-se e pergunte-se: “O que eu posso pensar e fazer para tornar essa situação mais tranquila?”

 

Lembre-se: Se você tem pensamentos negativos, procure reduzir o poder de seus pensamentos negativos e sua influência no seu comportamento.

 

Em vez de lutar, resistir ou se sentir oprimido por pensamentos ou sentimentos negativos, aceite-os. Apenas se dê a oportunidade de senti-los.

 

Quando você começa a reconhecer os pensamentos e crenças que contribuem para a baixa autoestima, você pode refutá-los ou mudar a maneira como pensa neles. Isso ajudará você a aceitar seu valor como pessoa. À medida que sua autoestima aumenta, também aumenta sua confiança e sensação de bem-estar.

 

Além dessas sugestões, tente lembrar todos os dias que você merece um cuidado especial. Para fazer isso, verifique se você está de acordo com o seguinte:

 

  • Mexa-se! Siga as boas diretrizes de saúde. Tente se exercitar por pelo menos 30 minutos por dia na maioria dos dias da semana. Coma muitas frutas e legumes. Limite a quantidade de doces, comidas rápidas e gorduras animais.

 

  • Faça coisas que você gosta. Comece a fazer uma lista das coisas que você mais gosta de fazer e tente fazer algo da lista todos os dias.

 

  • Esteja em companhia de pessoas que te fazem feliz. Não perca tempo com pessoas que são negativas e não te tratam bem.

 

  • Busque ajuda profissional. Existem situações que não são possíveis de serem resolvidas sozinho (a), então não hesite em buscar atendimento psicológico.

 

Mariza Ferreira
No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

Abrir Chat
Posso ajudar?